sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Leitura dinâmica




A discutível vitória do presidente da república Michel Temer na última quarta-feira (02) na Câmara Federal, onde foi rejeitada denúncia do Procurador-Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, empurrou o Brasil ainda mais para o abismo, uma vez que aumentou ainda mais a rejeição do povo brasileiro ao principal mandatário do país. A situação do país piora a cada minuto que passa, haja vista, a insistência de Temer em permanecer no comando da nação, o que quase 100% da população não quer.

     Nós estamos andando de lado

O Brasil está andando de lado, como caranguejo, para os lados, nunca para frente, pois está convivendo com uma economia estagnada, com o índice de desemprego formal aumentando, o comércio, a indústria e o setor de serviços desempregando; em consequência da queda do consumo. E nada sugere que o país esteja saindo da recessão, porque o emprego que produz poder de compra, esse está diminuindo.

   Gilmar Mendes age como advogado de Temer e Aécio

Os posicionamentos assumidos pelo ministro do STF e presidente do Superior Tribunal Eleitoral (STE), Gilmar Mendes, contra o Procurador-Geral da República (PGR) é o de quem está a serviço do presidente Temer e do senador Aécio Neves (PSDB-MG). É que esse ministro ao criticar Janot e defender Temer e Aécio Neves, se comporta como um defensor de ambos. Um advogado do presidente da república e desse senador mineiro.  

  O apego exagerado de Temer ao poder

O apego exagerado do presidente Michel Temer ao poder, anda criando sérios problemas ao país, posto que o principal mandatário da nação não goza da credibilidade do povo brasileiro, o que as pesquisas apontam, com Temer tendo uma rejeição de quase 95% da população brasileira. A falta de credibilidade do presidente acaba criando um clima cada vez maior de pessimismo, o que inibe os investimentos internos, externos e o consumo. 

 Um presidente do tipo rainha da Inglaterra

O acordo firmado entre o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG), para que o primeiro continue provisoriamente à frente do PSDB nacional, parece ser um acordo que faz do senador cearense, um tipo de presidente rainha da Inglaterra, que reina mas não governa. Isso será comprovado ou não com a postura de Tasso Jereissati diante dos próximos acontecimentos. Se ele é um presidente de fato ou só de direito, pois ocorre que Aécio Neves continua agindo nos bastidores como presidente de fato.
Postar um comentário