terça-feira, 15 de agosto de 2017

Deixar a "área de conforto" é imprescindível



O que é zona de conforto? A zona de conforto pode ser entendida como uma série de comportamentos que adotamos por costume e acomodação. Encontra-se na zona de conforto quem está perfeitamente acomodado à sua rotina, quem não se arrisca e aceita as coisas como elas estão.

Com a consolidação do sistema capitalista, as grandes corporações passaram a investir cada vez mais no treinamento e sobretudo, na mudança de cultura do empregado. De uma cultura que leva o trabalhador a não se acomodar e a buscar sempre novos conhecimentos que podem ser aplicados, usados na sua atividade profissional de modo a que o seu empregador sinta que o seu colaborador pensa e se preocupa em atender a exigências da sua empresa em particular e do mercado do trabalho em geral.  

O colaborador que se mantém sempre motivado, atualizado e aberto à inovação e à evolução tecnológica, mesmo que já esteja com uma idade avançada e com muitos anos de empresa, nunca se tornará obsoleto e desnecessário. Manter-se motivado significa se interessar pelo seu crescimento profissional e com o alcance de bons resultados pela sua empresa.

O desinteresse do empregado pelo crescimento e alcance de excelentes resultados pela sua corporação - é o primeiro passo para o seu desligamento da empresa. Manter-se focado no bom desempenho profissional, credencia o trabalhador a alçar voos mais altos na sua companhia, porque o empregador não passa um dia sem avaliar o desempenho de cada um dos seus colaboradores. E para o trabalhador bem avaliado, sempre vai existir uma oportunidade para que o colaborador cresça e ascenda profissionalmente.

O que leva certos trabalhadores (colaboradores) a buscar a área de conforto? Muitos anos de casa (empresa) é um dos fatores que leva o trabalhador a se acomodar, porque ele julga que o empregador não irá demiti-lo por qualquer motivo, para não ter que indenizá-lo. Isso é uma arrematada tolice, porque o empregador sabe que o empregado desmotivado rende muito pouco e até compromete o desempenho daqueles que o cercam. Nesse caso a melhor solução é a demissão.
Postar um comentário