quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A importância ensino do xadrez nas escolas


O maranhense Rafael Duailibe Leitão é um enxadrista e heptacampeão brasileiro, detendo os títulos de Grande Mestre Internacional de Xadrez pela FIDE e pela ICCF.

O xadrez é um esporte, mas é também considerado uma arte e uma ciência. Daí a sua importância como um instrumento para ser usado como facilitador da aprendizagem. O xadrez já deveria ser usado no Brasil como uma disciplina optativa na nossa grade curricular.

Na Armênia, uma lei foi criada e obriga todas as crianças com seis anos ou mais a aprender xadrez nas escolas. O país acredita que isso fomentará o desenvolvimento intelectual e melhorará as habilidades de pensamento crítico dos alunos. 

Segundo Nuno Cobra, um dos maiores especialistas em educação física do país, o xadrez é um excelente exercício para o cérebro e exige muito das emoções. A pessoa adquire um senso muito prático de organização, concentração e desenvolve de forma muito especial a memória. O xadrez trabalha a imaginação, memorização, planejamento e paciência. Nas escolas do primeiro mundo, o xadrez já é praticado há décadas, onde os alunos além de todo esse desenvolvimento citado, melhoram muito sua disciplina, relacionamento com as pessoas, respeito às leis, às regras.

Em entrevista cedida à revista Veja, o ex-campeão mundial Garry Kasparov diz que “o xadrez ajuda a melhorar a atenção, a disciplina, o pensamento lógico e a imaginação. Não é por acaso que, nas 13.000 escolas americanas onde se ensina xadrez, as crianças têm melhor desempenho em disciplinas como matemática e redação. Elas também demonstram ter um senso de responsabilidade mais aguçado.

Para o arbitro internacional de xadrez Estevão Tavares Neto: “o xadrez estimula ao praticante do xadrez, a criatividade, concentração, memorização, paciência, disciplina e respeito aos adversários. Esses valores ajudam na formação de um bom cidadão. (com dados da Wikipédia)
Postar um comentário