quinta-feira, 30 de junho de 2016

Temer não tem vocação para estadista


Embora o país conheça de ‘cor e salteado’ o PMDB e o seu presidente por quase duas décadas, Michel Temer (foto), ele esperava que o governo interino do PMDB ousasse governar com base na meritocracia, para que o povo brasileiro passasse a confiar no presidente provisório e no seu partido.
  
Mas, pela escolha dos novos ministros e a consequente desmoralização do governo do PMDB com a demissão de três ministros em menos de um mês, sob a acusação de envolvimento com malfeitos (corrupção) e mais recentemente com o anuncio de um pacote de bondades anunciadas por esse novo governo, o que compromete a saúde financeira do país, o pouco de prestígio que Temer ainda gozava junto ao povo brasileiro, evaporou-se. É que ficou por demais evidente que o PMDB e Temer não estão pensando no país, mas única e exclusivamente em permanecer no poder. 

E tudo leva a crer que a situação de Temer tende a ficar cada vez mais pior, haja vista, a cúpula do PMDB está quase toda ela, sujeita a ser presa pela Operação Lava Jato. O Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, já pediu a prisão do presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), do presidente afastado da Câmara Federal, deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e do ex-presidente da república, José Sarney, um peemedebista aposentado, mas ainda muito influente na cena política nacional e o nome do próprio presidente interino já apareceu em duas ou três delações premiadas.

A situação de Temer e do seu governo é periclitante.
Postar um comentário