quarta-feira, 29 de junho de 2016

A poesia segundo CONCEIÇÃO EVARISTO

Eu-Mulher

Uma gota de leite
me escorre entre os seios.
Uma mancha de sangue
me enfeita entre as pernas.
Meia palavra mordida
me foge da boca.
Vagos desejos insinuam esperanças.


Eu-mulher em rios vermelhos
inauguro a vida.
Em baixa voz
violento os tímpanos do mundo.
Antevejo.
Antecipo.
Antes-vivo


Antes – agora – o que há de vir.
Eu fêmea-matriz.
Eu força-motriz.
Eu-mulher
abrigo da semente
moto-contínuo
do mundo.


CONCEIÇÃO EVARISTO é mestra em Literatura Brasileira pela PUC-Rio, e doutora em Leitura Comparada pela Federal Fluminense (UFF).
Postar um comentário