terça-feira, 31 de maio de 2016

A poesia segundo Alexander Pushkin

A Flor

Vejo uma flor seca, sem ar
Cá esquecida em um caderno,
E meu espírito prosterno
Num esquisito meditar:
Floriu quando? Onde? Em que estação?
E postergou-se? E é estranha
Ou amiga a mão que a apanha? E a pôs aqui por que razão? Para recordar um encontro amável
Ou uma separação funesta, ou um passeio solitário
Num sítio, à sombra da floresta? E ele está vivo, ela também? E a que refúgio se retêm? Ou ambos já mirraram
Como esta flor que aqui deixaram?


Alexander Pushkin foi um poeta russo.
Postar um comentário