sábado, 30 de abril de 2016

Grupo Tarancón - CANTO LUNAR

<iframe width="420" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/mVaud1eBrZw" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>
O grupo Tarancón é uma banda brasileira.
Foi criada com o objetivo de pesquisar e divulgar a diversidade de ritmos e canções latino-americanas. O grupo é composto de artistas de vários países da América Latina Fundada na década de 70 e participou de alguns festivais. Sua música é influenciada por ritmos brasileiros, andinos, caribenhos e africanos.
O nome do grupo, Tarancón, era também o nome de uma mina de carvão na Astúrias, Espanha, que desabou, ocasionando a morte de onze trabalhadores (história contada na canção "En la mina el tarancón").

A Boca Maldita é um tambor de ressonância




Yanet, Larissa e Vera

A cada novo fim de semana, aumenta o número de políticos, intelectuais e profissionais liderais no novo ponto de encontro do município de São Raimundo Nonato, que é a Boca Maldita. Boca Maldita para uns e Boca do Inferno para outros.

Neste sábado, a Boca Maldita de SRN recebeu as ilustres visitas das médicas cubanas Yanet Mendez e Adrianne Rodriguez, do analista contábil Evandro Júnior, do ativista social e radialista Sulica Del Samba, da professora Vera Castro, da professora e coordenadora do Portal SRN, Larissa Baldoíno e do nosso mestre de cerimônia, o comerciante Nicodemos Bento do Nascimento ou simplesmente, Júnior do Nicó.

Evandro Júnior

Larissa Baldoíno e Sulica Del Samba
Yanet Mendez
Enquanto rolava as discussões sobre os mais variados temas - nesse espaço aberto, Larissa Baldoíno recebeu uma mensagem de Teresina, da sua amiga Vanessa, que comunicou a sua presença na Boca Maldita, assim que aportar em São Raimundo Nonato. Seja bem vinda!

O PMDB está empurrando o país para um abismo profundo


Esses são os nossos "estadistas". KKK!!!
Eu procuro com uma lanterna acesa, descobrir um patriota na ‘oposição’ ao governo Dilma Rousseff e não consigo enxergar

A situação do Brasil é deveras difícil, mas a culpa pela grave situação que este país atravessa, não pode ser atribuída só ao governo da presidenta Dilma Rousseff, mas, principalmente aos partidos de oposição, capitaneados pelo vice-presidente da república Michel Temer, que vem investindo diuturnamente no quanto pior melhor. Melhor para eles, os políticos da oposição que querem assumir o poder a qualquer preço.

O que poderá fazer Henrique Meireles num eventual governo do PMDB, que não foi tentado pelo ex-ministro Joaquim Levy, um nome imposto à presidenta Dilma Rousseff pelo deus mercado?

O país está paralisado e quanto mais tempo durar essa paralisação, mas o país afunda num atoleiro sem fim.  A aposta da “oposição” no quanto pior melhor é um erro inominável e passado essa onda de insatisfação popular para com o governo Dilma Rousseff, os seus detratores e conspiradores serão julgados pela história como inimigos da pátria. “Quem viver verá”!

sexta-feira, 29 de abril de 2016

A história não absolverá os carrascos de Dilma




Os carrascos da presidenta Dilma Rousseff não serão absolvidos pela história, porque são traidores e golpistas.

Embora o impeachment conste da nossa Carta Magna, o processo de impedimento da presidenta Dilma Rousseff não é legal, porque conduzido por políticos réus e suspeitos de envolvimento em casos de corrupção.

Traidores são todos aqueles que até bem pouco tempo faziam parte do quarto governo do Partido dos Trabalhadores (PT) e que por puro oportunismo, se bandearam para a oposição e hoje se dizem oposicionistas.

Faço aqui um breve esclarecimento: o leitor assíduo do blog Dom Severino conhece muito os meus posicionamentos contra a roubalheira e a corrupção instalada no país, que diga-se de passagem, não foi inaugurada no Brasil pelo PT; mas, que também me posiciono contra o impedimento da presidenta Dilma Rousseff, porque quem trabalha para apear o PT do poder, não tem legitimidade para fazê-lo, leia-se PMDB.

Insisto na tese de que a saída menos traumática para o país, seria a cassação da chapa Dilma-Temer. O bom sendo deveria prevalecer neste trágico.

MANO BORGES - Maranhão Meu Tesouro, Meu Torrão

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/USZ-boeSpuA" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>



Mano Borges no ano de 1983 passou a integrar o grupo Asa do Maranhão, apresentando-se com diversos artistas, entre eles, Marina Lima, Sivuca e Beto Guedes.

Entre 1988 e 1990 residiu em Porto Alegre, onde participou de vários eventos. Retornou ao Maranhão e em 1991 lançou o LP "Mano Borges" acompanhado do primeiro clipe, com a faixa "País de brincadeira". Mano Borges nasceu no município de Floriano no estado do Piauí.

“Tudo como antes no quartel de Abrantes”



“Nicolau Maquiavel é o que se pode chamar de unanimidade entre os estudiosos da ciência política. Na verdade, com a publicação de seu pequeno grande livro, “O Príncipe”, foi considerado o fundador da ciência política moderna. A obra constitui uma lição de sabedoria sobre como a natureza humana se comporta diante do poder; sobre como as pessoas se revelam em sua essência diante do poder. Os ensinamentos contidos nos escritos do sábio de Florença ilustram o caminho que devem seguir os governantes para manterem seus principados”.

A expressão “Tudo como dantes no quartel de Abrantes” significa que tudo continuará sempre na mesma, sem alteração. Pois é exatamente isso que irá acontecer num eventual governo do PMDB.

O futuro governo Temer, seguirá a lógica da política brasileira, ou seja, muda o governante de plantão, mas os seus assessores serão os de sempre: políticos tradicionais, viciados em poder e sem nenhuma vocação para estadista. 

O governo do PMDB ainda nem começou, mas a política do toma lá dá cá, do é dando que recebe e do balcão de negócios, sob nova direção, já está em pleno funcionamento em Brasília.

No Brasil a palavra meritocracia é apenas uma figura de retórica, um estratagema usado pelos nossos políticos para iludir, enganar pessoas incautas e puras de coração. 

Não há nenhum exagero em afirmar que o Brasil é um país indecente, imoral, obsceno e sem pudor. Se eu ocupasse algum cargo público e tivesse a chance de ser corrompido, talvez eu não resistisse. É que a nossa natureza é fraca e a nossa cultura predominante é a de levar vantagem em tudo. Isso quer dizer que o Brasil não tem jeito.

O Brasil muda sempre para pior. Isso todo brasileiro esclarecido sabe.

É tudo uma questão de cultura e de oportunidade. O Brasil só teria uma chance: se acabasse com a impunidade